Indefinição de ACM Neto chama-se PP

A indefinição da candidatura do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM) ao governo do Estado deixa o jogo eleitoral ainda mais instável. No Carnaval, Neto ?deu a deixa?. Disse que aos 39 anos tem tempo de galgar outros postos na política. Enquanto o demista segue sem certeza, correligionários acreditam que se ele não disputar o Palácio de Ondina haverá a possibilidade de ?implosão do grupo? no Estado.

A ?previsão? de alguns seguidores de Neto é visto com certo exagero pelo cientista político Joviniano Neto. ?Se ele não disputar [o governo do Estado] vejo mais uma frustração do que uma implosão?, avaliou. Segundo ele, Neto é o candidato natural do grupo de oposição ao PT e ao governador Rui Costa, que vai tentar a reeleição.

?É o nome que tem sido visibilizado, que tem sido publicizado insistentemente há cinco anos. A candidatura e ACM Neto representa um investimento dele mesmo mas também do grupo o qual ele lidera?, disse Joviniano Neto ao BNews.

O prefeito vem dizendo que tem usado as pesquisas,  e o corpo-a-corpo com a população como termômetro. Essa é a conversa que ele exterioriza. No entanto, uma equação que possa dar musculatura a seu arco de aliança é a tese mais provável. Pra isso, Neto diretamente e com o apoio do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem feito conversas para ter o apoio do PP.

Essa seria uma forma de o prefeito se livrar do MDB e não sair perdendo tempo de televisão, necessário para expor suas ideias e, claro, rebater críticas e acusações de Rui Costa.

?Não tinha pensando nessa possibilidade. Cheguei a pensar até que ele fosse eclipsar o MDB, leia-se Geddel e Lúcio Vieira Lima, mas manteria essa aliança?, pontua Joviniano, ao acreditar que Neto não desistirá de disputar o cargo máximo no Estado. ?É muito difícil [a desistência]. Ele é refém do investimento que fez e da expectativa que criou?.

Deixe seu comentário