Clubes vetam árbitro de vídeo no Brasileirão-2018

 Por motivo econômico, não haverá árbitro de vídeo no Campeonato Brasileiro de 2018. A decisão foi tomada por representantes dos 20 clubes da Série A em reunião do Conselho Técnico da competição, realizada nesta segunda-feira na sede da CBF, no Rio de Janeiro. O placar foi 12 a 7 contra o VAR, além de uma abstenção.

A CBF queria que os clubes pagassem pela implantação da tecnologia, que corrige marcações e dúvidas da arbitragem em determinados tipos de lances, como gol, pênalti, aplicação de cartão vermelho e identificação de atletas O custo estimado para os 380 jogos da Série A era de R$ 20 milhões.

– Vetar foi uma decisão da maioria, pelo custo elevados para os clubes. Para cada clube, (o árbitro de vídeo) custaria R$ 500 mil apenas para o segundo turno, ou R$ 1 milhão para o campeonato inteiro. Decidimos esperar a observação na Copa do Mundo e talvez implantar no Brasileiro do ano que vem – explicou o presidente do Vasco, Alexandre Campello.

No entanto, haverá árbitro de vídeo a partir das quartas de final da Copa do Brasil, com custo bancado pela CBF.

Veja como foi a votação sobre a implantação do VAR no Brasileirão:

A favor: Flamengo, Botafogo, Bahia, Chapecoense, Palmeiras, Grêmio e Internacional.

Contra: Corinthians, Santos, América-MG, Cruzeiro, Atlético-MG, Atlético-PR, Paraná, Vasco, Fluminense, Sport, Vitória e Ceará.

Não votou: São Paulo (o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva tinha ido embora no momento dessa votação).

– O Bahia foi favorável mesmo que tivesse que pagar por isso, mesmo que houvesse um custo alto. A gente defendeu o modelo, porque o prejuízo mesmo acontece quando há um erro contra o clube ou contra o futebol – afirmou o presidente do Bahia, Guilherme Bellintani.

No ano passado, uso do VAR foi demonstrado pela CBF (Foto: Beto Azambuja/GloboEsporte.com) No ano passado, uso do VAR foi demonstrado pela CBF (Foto: Beto Azambuja/GloboEsporte.com)

No ano passado, uso do VAR foi demonstrado pela CBF (Foto: Beto Azambuja/GloboEsporte.com)

Em setembro do ano passado, após o Corinthians vencer o Vasco com um gol de braço de Jô, a CBF prometeu implantar o árbitro de vídeo durante aquele Brasileirão. Um mês depois, como não havia condições de usar o recurso em todas as partidas da mesma rodada, a ideia foi adiada – a entidade chegou a promover demonstrações e cursos. O VAR esteve à disposição na final da Libertadores, entre Grêmio e Lanús.

 Duas mudanças

Em outra decisão conjunta, os clubes liberaram a “venda” de mando de campo no Brasileirão deste ano, com algumas restrições:

Os times só poderão atuar cinco vezes fora de seu estado de origem em seus 19 jogos de mando;

Os times só poderão mandar jogos fora de seus estados se houver a concordância do visitante;

Os clubes não podem vender o mando de suas últimas cinco partidas no campeonato.

No ano passado, uso do VAR foi demonstrado pela CBF. Foto: Beto Azambuja/GloboEsporte.com

No ano passado, nenhum clube pôde mandar partidas fora de seu estado.Arena da Baixada, do Atlético-PR é o único estádio da Série A com grama sintética (Foto: Gabriela Ribeiro) Arena da Baixada, do Atlético-PR é o único estádio da Série A com grama sintética (Foto: Gabriela Ribeiro)

Arena da Baixada, do Atlético-PR é o único estádio da Série A com grama sintética. Foto: Gabriela Ribeiro

Arena da Baixada, do Atlético-PR é o único estádio da Série A com grama sintética (Foto: Gabriela Ribeiro)

Outra decisão do Conselho Técnico foi liberar o uso de grama sintética em jogos do Brasileirão. A Arena da Baixada, estádio do Atlético-PR, é o único da Série A com esse tipo de piso.

O regulamento de 2017 previa que haveria um veto ao uso de grama sintética em 2018, mas a reunião deste ano reverteu essa decisão.

Por Martín Fernandez/Globo Esporte

Deixe seu comentário